Número total de visualizações de página

Os meus blogues

Os meus blogues...

segunda-feira, 27 de junho de 2011

«DOSSIER COIMBRA 1969» - António da Cruz Rodrigues, José Maria Marques e Joaquim Maria Marques



«DOSSIER COIMBRA - 1969»
´A crise de Coimbra vista por observadores
 estranhos aos acontecimentos`
´2ªEdição`
ANTÓNIO DA CRUZ RODRIGUES
JOSÉ MARIA MARQUES
JOAQUIM MARIA MARQUES
COLECÇÃO FACTOS E DOCUMENTOS
LIVRARIA SAMPEDRO EDITORA
LISBOA, 1969




Que levou os autores a fazerem o presente inquérito aos acontecimentos académicos de Abril-Julho de 1969 em Coimbra? 
Confessam os autores que, em primeiro lugar, os moveu uma sentimento de curiosidade e o desejo, mais, a necessidade de compreender.
Querem perceber precisamente o que aconteceu? E como? E porquê?
Dizia-se, confessam, que um ´processo` contestativo tivera curso em Coimbra segundo os princípios, o método e as regras internacionalmente experimentadas.
Acrescentam saber-se como a ideia espalhada por toda a parte, relativamente aos movimentos estudantis estrangeiros dos últimos anos, é de que se trata de movimentos subversivos, de contestação geral da sociedade e não apenas académica - aproveitando a «nova classe» dos estudantes como plataforma revolucionária, esgotadas que estariam as possibilidades subversivas do proletariado.
Seria assim em Coimbra, perguntam?!
Acreditam que dos factos apurados sobressaem as regras da estratégia e da táctica reivindicativas ali aplicadas, aliás com talento acrescentam... Talvez não seja possível de ora em diante ignorar o que apuraram, como após outras crises (1962?: ...)
Isso impressionava-os: que só a memória efémera dalguns registasse idênticos acontecimentos de 1962 e 1965, para não falar de outras crises. Estão seguros de que, por não haver sido estudada sistematicamente, as lições possíveis se tivessem perdido completamente ou quase, e, dos mais ou menos interessados em estar prevenidos com o conhecimento rigoroso das leis que eventualmente presidam a este tipo de acontecimentos, poucos fossem capazes de pronunciar-se sobre os últimos, desde o princípio, com alguma segurança e aquela independência que uma informação adequada sempre permite. Sabem, aliás, que talvez por isso a desorientação de muitos, dos mais responsáveis até, foi nessa altura impressionante.
Do que estão convencidos é de que os mais surpreendidos com a profunda unidade e coerência da crise revelada, qualquer que tenha sido o seu lado na barricada, hão-de ser muitos dos que participaram ou estiveram presentes nos acontecimentos - mas por isso mesmo, mergulhados na sua rápida sucessão, não chegaram a ter notícias completas nem uma visão de conjunto dos mesmos.
Reconhecem não supor ter feito o melhor que era possível e que o seu trabalho esteja isento de lacunas. 
Formaram equipa, para que o risco da visão unilateral fosse menor fosse menor e menor também fosse a probabilidade de lhes escaparem aspectos importantes dos acontecimentos.
Estão certos de não terem forçado as conclusões, Apesar de os documentos publicados pelos dirigentes associativos, muito abundantes, eram quase os únicos conhecidos e a dificuldade principal do inquérito terá estado, por isso, em conseguir completar a visão que esses documentos atestam com outras perspectivas e diferentes ângulos de análise, com outros testemunhos, em suma.
Dirigem-se agradecidos a todos quantos, autoridades, professores e alunos de todas as tendências,
facilitaram à equipa, esses testemunhos e não regatearam a sua contribuição ao esclarecimento; o menor ou maior mérito do trabalho em muito lhes é devido!
Tendo-se esgotado  a 1ª edição deste livro em menos de dois meses, os autores procuraram alguns aperfeiçoamentos, não muito numerosos mas de certa importância, e novos documentos em apêndice, além das abundantes correcções gráficas.
A crítica à 1º edição visou o facto de a equipa não ter feito o estudo sociológico e exaustivo de todas as causas da crise universitária Quer dizer, foram criticados por não terem sabido manter-se limitados ao tema a que se propuseram - que era o exame do «processo» utilizado, da mecânica montada para fazer funcionar a contestação. 


CAPÍTULO I - ECLODIR DOS ACONTECIMENTOS: A inauguração do edifício das Matemáticas.
CAPÍTULO II - DESENROLAR DA CONTESTAÇÃO: O boicote das aulas.
CAPÍTULO III - NOVA FASE DA CONTESTAÇÃO: O boicote dos exames.
CAPÍTULO IV - A EVOLUÇÃO DO BOICOTE DOS EXAMES


APÊNDICE: 11 Documentos




NOTA: Esta obra foi feita por opositores de direita ao Governo do Professor Macello Caetano e estão na origem da EDITORIAL RESTAURAÇÃO e da publicação da revista ´RESISTÊNCIA` .









Sem comentários:

Pesquisar neste blogue