Número total de visualizações de página

Os meus blogues

Os meus blogues...

terça-feira, 30 de outubro de 2012

«O M. R. P. P. instrumento da contra-revolução» - J. L. Saldanha Sanches

«O Povo Libertará Saldanha Sanches»
(Nos muros de Lisboa, ´antes` do 25 de Abril!)





«O  M. R. P. P.
instrumento da contra-revolução»
J. L.  Saldanha Sanches (1944-2010)
(José Luis Saldanha Sanches)
Cadernos Ulmeiro, nº 6
2ª edição
Lisboa, 1975
140 págs.
Impressão: Fevereiro de 1976


´Em memória` de um homem de grande verticalidade, 
 lucidez de espírito e muita coragem, que se encontrava 
preso em 25 de Abril de 1974, com Processo a correr 
em Tribunal Plenário, por ter lutado pela Liberdade e 
Democracia quando ainda se vivia em Ditadura!...


Tendo a primeira edição deste ´pequeno-grande` livro sido feita em 1975, resultado  do que Saldanha Sanches escrevera e datara de 18 de Novembro desse ano, precisamente uma semana após a declaração da Independência de Angola e uma semana antes do 25 de Novembro, achou o Autor por bem, dados os acontecimentos ocorridos na última data referida e também os de 18 e 19 de Janeiro de 1976, que se procedesse a uma segunda edição com Prefácio datado de 1 de Fevereiro de 1976, acrescentada de uma «Adenda»!...

Trata-se de um livro denso e rico em informação, para se poder entender uma Organização surgida em 1970 a partir da Esquerda Democrática Estudantil, o M. R.P. P. (Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado), e a sua acção anterior e posterior ao 25 de Abril, sabendo-se que o Autor, militante prestigiado do MRPP, estava preso à data de 25 de Abril!...


Do «Prefácio» à 2ª Edição:

«A necessidade de fazer uma segunda edição deste livro, torna possível acrescentar alguma coisa ao que nele se contém. Assim farei, embora, quanto ao essencial, me não pareça necessário ir muito além do que já tinha dito.
Os últimos meses, tornaram apenas mais evidente o que antes já era visível; o crescente isolamento e decadência do MRPP, a crise irreversível que o vai fazendo perder posições, e que já nada pode esconder. Num comício que teve lugar antes da publicação deste livro, o seu secretário-geral foi até ao ponto de falar na «grave crise», que atingira o MRPP. E para quem conheça o habitual e já muito conhecido ultra-triunfalismo, que sempre caracterizou o MRPP, pode avaliar o significado desta confissão. (...) No espaço de tempo imediatamente a seguir ao abandono (com posterior expulsão, acompanhada das mais assustadoras invectivas) do autor deste livro, ainda se procurou levantar o abalado moral dos activistas, explicando que tudo  o que estava errado, era da culpa da «linha negra» (...) E no comício já referido o «grande educador» anunciou que afinal o «partido» não seria «fundado». Desde Janeiro que 75 tinha sido designado «ano da fundação» e tal tinha sido prometido inúmeras vezes. (...) Embora uma das grandes especialidades do MRPP seja comemorar aparatosamente vitórias inexistentes, dir-se-ia que o MRPP cansado das sua próprias comédias, recua perante a maior de todas elas, e que todas as outras se deveriam destinar a preparar.

(...)Mas a questão não é apenas da irresponsabilidade de uma criatura que descobre de repente (já numa idade em que as «loucuras da mocidade» costumam ter fim) que é o «grande dirigente e educador do proletariado português», a ponto de pensar que até 1970 tudo o que houve foi o mais vil revisionismo. É principalmente o carácter profundamente provocatório do MRPP, que em especial desde o 25 de Abril, isto é desde a crise mais acentuada do poder burguês, parece ter um especial condão para ter em cada particular momento, a posição que à burguesia mais lhe convém que ele tenha. O cada vez maior carinho que por exemplo um jornal como «O Dia» (perfeito covil de fascistas que nem se dão ao trabalho de disfarçar) tem pelo MRPP, mostra até que ponto a burguesia vai percebendo tudo.(...)»


-PREFÁCIO À 2º EDIÇÃO (Lisboa, 1 de Fevereiro de 1976)
-NOTA INTRODUTÓRIA
-O MRPP PERANTE O 25 DE ABRIL
-A EVOLUÇÃO DA SITUAÇÃO POLÍTICA
  E AS ANÁLISES DO MRPP
-A «CLANDESTINIDADE» DO MRPP
-A LINHA ESPONTANEISTA E ANARQUISTA
  EM MATÉRIA DE ORGANIZAÇÃO
-LINHA DE MASSAS E MÉTODOS DE TRABALHO
-ERROS POLÍTICOS E DEGENERESCÊNCIA POLÍTICA
-DA TOMADA DO PODER AO APOIO AO VI GOVERNO
(Lisboa, 18 de Novembro de 1975)
«ADENDA»
-SOBRE  OS ACONTECIMENTOS DO 25 
  DE NOVEMBRO E A POSIÇÃO DO MRPP


(Quem, como o detentor deste «espaço», privou com o falecido Aventino Teixeira, e sabe quais os seus «contactos», tudo o que é referido e analisado por Saldanha Sanches corresponde à verdade e denota uma profunda capacidade de análise!...)

Para uma homenagem remeto para:

http://caminhosdamemoria.wordpress.com/2010/05/14/saldanha-snches-faz-agora-parte-da-historia/#more-11704




quarta-feira, 24 de outubro de 2012

«SOCIALISMO SEM ROSTO» (´O Advento do Terceiro Modelo`) - Thomas Molnar






«SOCIALISMO SEM ROSTO»
  Thomas Molnar (1921-2010)
Tradução: Álvaro Figueiredo
Capa: José Antunes
Colecção ´Alternativas e Experiências` nº 6
Editora Ulisseia s/d (1976?)
203 págs.
Título original:
«Le Socialisme sans Visage: l'avènement du tiers modèle`
(a versão portuguesa não refere 
 a segunda parte do título original)
Presses Universitaires de France
Paris - 1976
187 págs.


Thomas Molnar, húngaro de nascimento e que, após prisão nazi e posterior ocupação da Hungria pela URSS, decidiu fugir para o que habitualmente se designa por Ocidente e assim passar a chamada ´Cortina de Ferro` ! 
Em Bruxelas conclui a sua preparação académica e parte para os EUA, onde se vai doutorar! Aí acaba por morrer, não sem. que depois da libertação e autonomia das chamadas ´Democracias Populares` , viesse a receber uma alta condecoração da Hungria!
O autor de «A Contra-Revolução» era um intelectual de grande erudição, católico integrista e adversário do Concílio Vaticano II e muito particularmente do Papa Paulo VI, que acusava de simpatia pela URSS (tenha-se em conta a política de apaziguamento a Leste conduzida pelo Cardeal Casaroli!...). Em suma um contra-revolucionário assumido e muito bem preparado!...

Para Thomas Molnar, à época em que escreveu «Socialismo Sem Rosto», ao contrário do que tinha sido dito por muitos pensadores, o mundo não evoluía para a convergência dos sistemas liberal capitalista e marxista. A evolução para o «socialismo de rosto humano», era um logro e o que seria de esperar era a monolitização do Estado, que tem por componentes o exército, um nacionalismo cioso e um socialismo sem teoria precisa, até sem ideologia. 
É de ter em conta que numa época em que a maioria dos pensadores censurava o Estado tentacular, Thomas Molnar via a raiz do mal político no enfraquecimento do Estado e das instituições, gerado pela ideologia liberal; pois não se assistia nos regimes comunistas à conquista do Estado por um partido, processo paralelo ao domínio exercido pelos grupos de pressão (ao quais o autor chama «feudalidades») sobre os Estados democráticos do Ocidente?!
Os então regimes nascentes (muito particularmente os do ´Terceiro Mundo`) rejeitavam simultaneamente as concepções liberal ´e` marxista, dois modelos ultrapassados, e procuravam construir um Estado forte.
Thomas Molnar interroga-se aqui, será que o «terceiro modelo» irá acabar por aclimatar-se nos países ocidentais (convém aqui chamar a atenção para a enorme diferença entre «terceiro modelo», aqui referido e «terceira via», designação forjada pelo ex-ministro das Finanças da Primavera de Praga, Ota Sik!...)
T.M. estava atento ao que se passara na Bolívia com o General Torres e no Peru com o General Alvarado... e claro com o 25 de Abril de 1974 em Portugal, que par ele se contavam entre os diversos casos que ilustram a sua perspectiva!...

´LE PETIT LIVRE ROUGE` - «CITATIONS DU PRÉSIDENT MAO TSÉ-toung» (Mao Zedong)

«Prolétaires de tous les pays unissez-vous !»
(´Proletários de todos os países uni-vos !`)
«Étudier les oeuvres du président Mao, suivre ses enseignements 
et agir selon ses directives .» (Lin Piao - Lin Biao)
(«Estudar as obras do presidente Mao, seguir os seus ensinamentos
e agir segundo as suas directivas .») - (Lin Piao - Lin Biao)

                                                                 Capa: Foto Keystone



«CITATIONS DU PRÉSIDENT MAO TSÉ-TOUNG»
               ´LE PETIT LIVRE ROUGE`
«CITAÇÕES DO PRESIDENTE MAO TSE-TUNG»
                ´O PEQUENO LIVRO VERMELHO`
Collection ´Politique`
Dirigée par Jacques Julliard
Éditions du Seuil
Paris, 1967
D.L.: 1º TR. 1967
Nº 1945 (4)-282


O ´livro vermelho` (´livre rouge`) das citações do presidente Mao Tse-Tung não é apenas uma mera antologia do ´maoismo`, esta expressão chinesa do marxismo-leninismo. Tornou-se também um documento excepcional: lido e comentado em múltiplas circunstâncias da vida quotidiana, brandido por centenas de milhares de braços a quando das manifestações dos ´guardas vermelhos`, tornou-se o livro por excelência dos chineses durante a vigência da ´revolução cultural´ : simultaneamente como arma política e símbolo da Revolução cultural!
No ocidente teve grande fortuna, particularmente durante os acontecimentos de Maio 68!

Vide: «La Chinoise» (´A Maoista`) de Jean-Luc Godard, filme de 1967



http://skocky-alcyone.blogspot.pt/2008/11/crise-francesa-de-maio-junho-de-1968-i.html
http://skocky-alcyone.blogspot.pt/2008/11/crise-francesa-de-maio-junho-68-i-i.html
http://skocky-alcyone.blogspot.pt/2008/11/bibliogarfia-crise-maio-junho-1968-c.html

«CITATIONS DU PRÉSIDENT LIOU CHAO-CHI» (Liu Shaoki) - Em memória - Pierre Belfond


´Le Nouveau Petit Livre Rouge`
´O Novo Pequeno Livro Vermelho`
´le livre interdit du Khrouchtchev chinois`
´o livro interdito do Kruschev chinês`





  «CITATIONS DU PRÉSIDENT
   LIOU CHAO-CHI» (Liu Shaoki)
(´Citações do Presidente Liu Chao Chi`)
Prefácio de Maurice Ciantar
Traduzido do chinês por Yves Dulaurens
Éditions Pierre Belfond
Paris - 1969
189 págs.
D.L. : 1º TRIMESTRE 1969




«Até à sua eleição à Presidência da República em 1959, pouca gente, quer na China como no estrangeiro, conhecia o nome de Liu Chao-Chi (Liu Shaoki). Foi necessário acontecer o início da Revolução Cultural. a 25 de Maio de 1966, para que a opinião pública mundial se familiarizasse com o seu nome.
Afinal quem é Liu Chao-Chi?

Será o ´Kruschev chinês`, que intentou meter Mao Tse-tung (Mao Zedong) «no caixote do lixo da História»? Na verdade existiram de modo bem acentuado duas Chinas, uma delas anterior  e a outra posterior à Revolução Cultural, porém como diz o próprio Liu Chao-chi: «Ninguém neste mundo pode de facto evitar ser mal compreendido: cedo ou tarde os mal-entendidos se dissiparão».

Este livro constitui o contra-balanço necessário ao «Pequeno Livro Vermelho» de Mao Tsé-tung, foi interditado na China da época. Uma única edição, pirata, viu o dia em Hong Kong e é essa da qual o presente livro constitui uma edição apresentada por Maurice Ciantar».




http://skocky-alcyone.blogspot.pt/2009/08/citations-du-president-liou-chao-chi.html


«A NAÇÃO UNA» - ´Organização Política e Administrativa do Territórios do Ultramar Português` - General Norton de Matos (II)






            «A NAÇÃO UNA»
´Organização Política e Administrativa
                           dos
   Territórios do Ultramar Português`
            Com um Prefácio do
              Prof.  Egas  Moniz
                Prémio Nobel
Paulino Ferreira, Filhos, Lda
Lisboa - 1953
335 págs.
Impresso pela Editora em Abril de 1953

INDÍCE GERAL DO VOLUME

PRÓLOGO do Prof. Egas Moniz
DISCURSO do Prof. Barbosa Magalhães
DISCURSO do Prof. Egas Moniz
EXPLICAÇÃO do General Norton de Matos

A NAÇÃO UNA
       ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E ADMINISTRATIVA DOS
       TERRITÓRIOS DO ULTRAMAR PORTUGUÊS

EXORTAÇÃO
      AOS NOVOS DE PORTUGAL

DESÍGNIO
EVOCAÇÃO

CAPÍTULO I
      A POSSE

CAPÍTULO II
     A CONSPIRAÇÃO

CAPÍTULO III
       A PRIMEIRA TRANSFORMAÇÃO DE ANGOLA
            Passagem da Organização Administrativa militar para
                a Organização Administrativa civil

CAPÍTULO IV
       A SEGUNDA TRANSFORMAÇÃO DE ANGOLA
              As Estradas

CAPÍTULO V
      A TERCEIRA TRANSFORMAÇÃO DE ANGOLA
           Proibição do comércio de pólvora e armas e o
              desarmamento da Província

CAPÍTULO VI
     A QUARTA TRANSFORMAÇÃO DE ANGOLA
            Assistência médica aos indígenas e melhoria das
                 suas condições de vida

CAPÍTULO VII
    O CONGRESSO DE MEDICINA TROPICAL

CAPÍTULO VIII
      A QUINTA TRANSFORMAÇÃO DE ANGOLA
           Proibição de bebidas alcoólicas

CAPÍTULO IX
      A SEXTA TRANSFORMAÇÃO DE ANGOLA
          O novo indígena: - da condição de trabalhador recrutado para
              a de novo proprietário e cultivador rural. O aumento da
              produção. Os géneros pobres

CAPÍTULO X
      A SÉTIMA TRANSFORMAÇÃO DE ANGOLA
          A Educação e a Instrução

CAPÍTULO XI
      A OITAVA TRANSFORMAÇÃO DE ANGOLA
            A vida de família e conforto dos europeus. Habitações,
             transportes, comunicações, segurança e ordem pública

CAPÍTULO XII
     A ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA
        O pouco que pude fazer como Governador Geral; o que fiz
              como Alto Comissário da República

CAPÍTULO XIII
       ORGANIZAÇÃO E MONTAGEM DAS INSTITUIÇÕES
                 ADMINISTRATIVAS

CAPÍTULO XIV
      CONCESSÕES DE TERRENOS E OUTRAS

CAPÍTULO XV
      A QUESTÃO RACIAL

CAPÍTULO XVI
      EXPLANAÇÃO DO DESÍGNIO - A) UNIDADE NACIONAL
           Números I  a VII do Desígnio

CAPÍTULO XVI (Continuação)
     B) ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO
          Outros Nºs. do Desígnio:
        VII e IX: Desenvolvimento do Território Ultramarino. A fase comercial
        X: Regime aduaneiro
        XI: Regime financeiro e tributário
        XII. A moeda da Nação
        XIII: Organização bancária
        XIV: A Balança Comercial
        XV: O Fomento
        XVI: A marinha mercante
        XVII: A Agricultura
        XVII: A Industrialização
        XIX e XX: Os agentes em geral e os agentes técnicos
        XXI a XXVI: Elementos e acções essenciais: a assistência médica; o combate
                              ao alcoolismo; a urbanização; o ensino e a educação;
                              as missões científicas
        XXVII: O combate à emigração dos indígenas
        XXVIII: O estudo e a prospecção exaustiva do Território Nacional
        XXIX e XXX: O estudo dos povos que habitam os territórios de
                               Além-mar. Os bantos
        XXXI e XXXII: Um registo civil obrigatório e Estatísticas
                                  completas e sempre em dia
        XXXIII: A defesa militar e diplomática da Nação e da sua Unidade
        XXXIV: A organização da garantia da ordem interna
        XXXV: As relações exteriores
        XXXVI: E assim a NAÇÃO UNA surgirá

Este ´post`é o complemento do anterior ´post` sobre os Ventos da História, a Conferência de Baku e o Acto Colonial!

http://skocky-alcyone.blogspot.pt/2008/11/s-os-ventos-da-histria-conferncia-de.html
   


domingo, 21 de outubro de 2012

«MAOÍSMO EM PORTUGAL» - José Manuel Jara




«MAOÍSMO EM PORTUGAL»
´Ideologia anarquista
 contra-revolucionária
 e paródia burguesa do marxismo`
Anexo - «Ser ou não ser contra os monopólios»
José Manuel Jara
Textos de intervenção - 7
Edições Sociais
Julho de 1975
Lisboa
79 págs.


O autor na obra de propaganda e informação anterior «A Farsa dos pseudo radicais em Portugal», editada logo após a Revolução dos Cravos e destinada a combater um grupo alargado de movimentos da extrema esquerda, face aos danos que poderiam causar à Aliança com o MFA, dirige-se nesta outra publicação ao Maoísmo, e isto numa data precisa: após as eleições para a Assembleia Constituinte (25 de Abril de 1975) e o assalto do COPCON a locais pertencentes ao MRPP (28 de Maio de 1975), com a prisão de Arnaldo Matos e outros!
Porém, se o MRPP tinha uma atitude um tanto agressiva e provocadora, denunciada pelo saudoso J. L. Saldanha Sanches, ex-Militante da organização e expulso, acusado de pertencer à denominada «Linha Negra», existiam outros movimentos maoístas que não era meros descendentes da Esquerda Democrática Estudantil (EDE). Eram grupos que remontavam à cisão do ´camarada Campos`, entenda-se Francisco Martins Rodrigues, que com outros militantes forma uma frente, a «Frente de Acção Popular» (FAP), expressão do «Comité Marxista Leninista Português» (CMLP)!
Dado o prestígio dessas personalidades vindas da força que, formada em 1921, o  «Partido Comunista Português (PCP),sempre na vanguarda da luta contra o Regime Corporativo do Estado Novo, de contornos Fascistas, tornava-se necessário travar um combate em duas frentes (daí o Anexo): os Maoístas e os Partidos Democráticos que se opunham às nacionalizações!

Na «Introdução» o autor afirma:
«Vivemos uma Revolução. O processo revolucionário avança na construção de um Estado Democrático ao serviço do povo, avança  na destruição do poder dos monopolistas e dos latifúndios.
A unidade POVO / MFA  é, desde o 25 de Abril, o eixo da Revolução Democrática e Nacional. O movimento popular de massas, organizado pelos Partidos verdadeiramente democráticos e revolucionários e a vanguarda revolucionária das Forças Armadas são as duas componentes que definem a originalidade da Revolução Democrática, rumo ao Socialismo.
....Se a aliança tem duas componentes, ambas devem caminhar ombro a ombro na luta diária pelo aprofundamento de uma revolução que encaminha irreversivelmente o País, com salienta a Plataforma (Plataforma de acordo dos Partidos com o MFA).
....
Fazendo da sua estratégia o anticomunismo e o anti-sovietismo, dentro de uma linha na aparência de ´esquerda` e, ainda por cima, ´marxista-leninista`, são um peão da burguesia bastante útil no combate ao PCP e ao processo revolucionário.»

Nesta publicação o autor volta a elencar os movimentos maoístas e dá em organigrama uma explicação muito elucidativa das cisões surgidas após a fundação da FAP / CMLP (quero deixar bem explícito o meu respeito pelo saudoso Francisco Martins Rodrigues!...). Dadas as muitas divergências e erros táctico-estratégicos vão surgir uma legião de organizações que a par da EDE/MRPP, para quem não viveu a época de forma empenhada e militante se tornam nos dias de hoje um verdadeiro emaranhado de interpretação e descrição que quase roça o ´esotérico` !...
Basta atentar nas frentes eleitorais que vão surgir nas eleições para a Assembleia Constituinte, saídas das vária organizações maoístas, para se perceber que se tinham tornado verdadeiros ´grupúculos` (além do MRPP, temos: UDP, AOC, PUP, FEC-ml...)!...

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

«A FARSA DOS PSEUDO-RADICAIS EM PORTUGAL» - José Manuel Jara


Do Autor: 
´A TODOS OS VERDADEIROS DEMOCRATAS`

Bruto:
           Conhece-los?
Lúcio:
Não, meu senhor. Trazem os chapéus enterrados
   até às orelhas, e meio rosto ocultam em seus mantos,
de modo que não pode reconhecê-los pelos traços.
                                       Shakespeare (Júlio César)





«A FARSA DOS PSEUDO-RADICAIS»
´Estudo político e teórico sobre os grupos
maoiostas e trotskistas perante a Revolução´
Jodé Manuel Jara
Textos de Intervenção - 1.
Edições Sociais
2ª edição
Maio 1974
Lisboa
53 págs.

«Propomo-nos retratar os pseudo-radicais maoistas e trotskistas de Portugal.
A mistificação que estes grupos fazem em relação ao marxismo leva muito boa gente a, por vezes, com eles simpatizar. Pareceu-nos, pois, indispensável uma demarcação rigorosa entre marxismo e as variantes pseudo-marxistas destes grupos.
Este texto teórico pretende ser um contributo para que todos possamos separar o trigo do joio com clareza, já que a utilização emblemática das «frases marxistas» lança o descrédito no socialismo científico e nos seus verdadeiros defensores.
Pesamos que este breve estudo será, pela sua oportunidade, bem aceite. Os que são visados, prognosticamos, não darão como resposta mais do que um «espernear ideológico», «cheio de som e de fúria, mas significando nada».
Como método achamos melhor começar por análises político-ideológicas concretas, fundamentadas nos primeiros documentos após o 25 de Abril, fazendo de seguida uma síntese teórica. A análise que aqui se faz é válida para a imprensa tipo «Comércio do Funchal», «O Tempo e o Modo» e «O Jornal do Centro». »

(Nota: Os referidos jornais pertenciam a grupos «maoistas»...)

1 - M.R.P.P. - Movimento reorganizativo do partido do proletariado
2 - P.C.P. (M.L.) - Partido comunista de Portugal (marxista-leninista)
3 - O.C.M.L.P. - Organização comunista marxista-leninista portuguesa
4 - C.C.R.M.L. - Comités comunistas revolucionários marxistas-leninistas
5 - L.C.I. - Liga comunista internacionalista
6 - P.R.P. - Partido Revolucionário do Proletariado
7 - U.R.M.L. - União revolucionária marxista-leninista

Outras organizações do mesmo género desapareceram ou mudaram para os nomes referidos: o comité marxista leninista de Portugal (o bolchevista) dissolveu-se; o comité marxita leninista português mudou para o nome de «P.C.P. (M.L.)»; o grupo «O Comunista» udou de nome e passou a editar o jornal «O Grito do Povo», sendo o O.C.M.L.P.

8 - C.A.R.P. (M.L.) ?

(Nota: O autor decerto sabia que a sigla anterior significava para os organizadores: Comités de Apoio à Reconstrução do Partido (Marxista-Leninista) - esta nota é minha e apenas a indico para esclarecimento, pois me limito a transmitir os documentos e não interferir com a minha opinião!...Sem dúvida o autor estava ligado ao Partido Comunista Português e procurava contrariar a chamada esquerda radical que prejudicava a «Aliança Povo-M.F.A.».Essa atitude, é compreensível por questões táctico-estratégicas!)

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

«O MARXISMO - LENINISMO» - Jean Roux («Précis historique et theorique de Marxisme-Léninisme»)

«Uma obra que tem como objectivo oferecer uma visão de conjunto sobre os principais autores que escreveram sobre o marxismo (precursores, adeptos, simpatizantes ou adversários...) e sobre o conteúdo, o valor e a importância das sua obras principais.

OS GRANDES TEÓRICOS
Os precursores - O marxismo-de Marx e de Engels - O leninismo, ou marxismo da época imperialista - Estaline e a interpretação estalinista do marxismo - Depois de Estaline: Mao Tsé-tung, Fidel Castro...

AS GRANDES TESES
O materialismo dialéctico - O materialismo histórico - Marxismo, religião, moral, família, educação - A estética marxista - O marxismo e o Estado - O marxismo e a questão nacional e colonial - O marxismo e a linguística - Teoria e táctica do movimento comunista internacional


                                                           Versão portuguesa (1973)



   «O MARXISMO-LENINISMO»
´Um compêndio da sua história e teoria`
           Jean Roux
Tradução: José Przrak
Capa: Sebastião Rodrigues
´O Homem e o Tempo`
Editora Meridiano, Limitada
Lisboa - 1973
457 págs.
Robert Laffont - 1971 (2ª edição)


Quando o editor decidiu editar esta obra (1973) ainda estávamos antes do 25 de Abril e achou-se necessária e indispensável um livro deste teor, pois que, à parte alguns especialistas ou políticos responsáveis, a imensa maioria da população, incluindo mesmo a camada intelectual, não somente não sabia praticamente nada sobre os principais teóricos do marxismo-leninismo e sobre as suas teses, como se encontrava penetrada de ideias feitas, em regra falsas, a seu respeito.
O propósito da presente obra consistiu em apresentar em duas partes, facilmente assimiláveis, o essencial do marxismo- leninismo considerado no seu aspecto histórico e, depois, sob um ponto de vista doutrinal. 
Não se pode compreender o marxismo no seu conjunto, senão depois de se ter estudado a «génese» das suas teses, isto é, a personalidade dos homens que a pensaram ou criticaram e os problemas que eles tiveram de enfrentar.
Este propósito impôs, em primeiro lugar, um plano fundamental sobre os diversos pensadores que se sucederam historicamente e, para cada um, sobre as obras que têm escritas, na sua ordem cronológica.
A importância de cada estudo biográfico foi função da importância histórica ou doutrinal da personagem que é objecto do mesmo, sem que, sob qual for o pretexto, seja lançado o exclusivo contra tal ou tal autor.
Por se pretender conservar nesta obra o seu carácter enciclopédico e imparcial, todo o autor que tenha contribuído de uma maneira notável, para a formação, desenvolvimento ou crítica do marxismo ortodoxo como das suas heresias, foi objecto de um estudo. 
Por isso que, neste livro, se estuda tanto Marx como Proudhon, Lenine como Bernstein, Estaline como Trotsky, Tito como Djillas, Mao Tsé-tung como Krutchev.
Parte-se da hipótese que o leitor da presente obra procuraria não uma apresentação apologética desta doutrina ou das suas derivantes, mas uma visão de conjunto imparcial e independente de todo o qualificativo sobre a personalidade, a vida, as obras e as teses dos principais pensadores meditaram e escreveram a propósito do marxismo!...

Nota: A tradução portuguesa respeita a versão original. quer do ponto de vista do conteúdo quer da qualidade da tradução. Dado haver quem venda gato por lebre, dei-me ao cuidado de cotejar ambas as versões...que saudade da época em que o fiz!...






                                                               Original francês (1969)


«PRÉCIS HISTORIQUE ET THEORIQUE
  DE MARXISME-LÉNINISME»
       Jean Roux
Robert Laffont
Paris - 1969
390 págs.
Depósito legal: 2º trimestre de 1969
Nº de edição.: 3117
Nº de impressão: 188

terça-feira, 2 de outubro de 2012

«DICIONÁRIO POLÍTICO DO OCIDENTE» - António Marques Bessa

«Estará o povo português preparado para se defender da agressão ideológica? E da linguagem utilizada pelo inimigo? É essencial dominar as palavras políticas. Fundamental aumentar a capacidade dialéctica. Este dicionário será a sua arma de defesa e de ataque.» (da contra-capa, 1979)

COLABORAÇÃO ESPECIAL DE:

Prof. Adriano Moreira
Prof. Borges de Macedo
Dr. Jaime Nogueira Pinto
Dr. José Miguel Júdice





«DICIONÁRIO POLÍTICO DO OCIDENTE»
                António Marque Bessa
     Prefácio do Professor Adriano Moreira
Editorial Intervenção, Lda.
Braga - Lisboa
Copyright - 1979 - António Marque Bessa
Edição nº 27
333 págs.

O então jovem político, hoje Professor universitário com vastíssima obra publicada, vem a terreiro das ideias e do esclarecimento e combate político, na esteira de obras por si publicadas - tais: «Introdução à Etologia» (1978). «Ensaio sobre o fim da nossa Idade» (1977) e em colaboração com Jaime Nogueira Pinto, «Introdução à Política» (1977) - , publicar uma obra que na altura se revelava de urgente necessidade: pôr ordem nas ideias!
De resto, António Marques Bessa, logo de início, esclarece que já tinha sido editada em Espanha uma obra sua intitulada «Diccionario político para Occidente», em co-autoria com J. Vargas publicada em 1978 por Alberto Vassallo de Mumbert! Esta obra apoiada e encorajada por A. Vassallo de Mumbert, foi a primeira versão, em espanhol, da obra aqui referida e serviu de base de trabalho para a presente versão portuguesa!
O autor pretendeu elaborar um dicionário que na época se tornava necessário, como de resto aconteceu com «Introdução à Política», pois o ambiente em que as pessoas estavam mergulhadas era de uma extrema confusão e oportunismo, devidos em grande parte à divulgação de uma certa «Escolástica» que se servia da chamada doutrina democrática para levar a água ao seu moinho...

Das 333 págs. que compõem o livro, o que se deve entender por «Dicionário», isto é, os termos da Ciência Política, elencados por ordem alfabética ocupam a esmagadora maioria do espaço e são quase todas da autoria de A.M.B. Nada mais nada menos que da pág.21 à 333! O Autor teve para alguns termos a colaboração de pessoas  de reconhecida autoridades na matéria!

COLABORAÇÃO ESPECIAL DE:

José Miguel Alarcão Júdice (Constituição Portuguesa de 1976; Gonçalvismo).
Jorge Borges de Macedo (Conservadorismo, Marcelismo, Salazarismo, Sebastianismo).
Giovanni Davoli (Civilização).
Rafael Gambra Ciudad (Tradição)
O. Junyent (Hitler, Nacional-socialismo-ideologia, Nacional-socialismo-regime).
Henry Keith (Liberalismo americano).
Padre Manuel Lopez Perez (Doutrina Social da Igreja).
Domingo Manfredi Cano (Brigadas Internacionais, Clientela, Comício).
Jaime Nogueira Pinto (Apartheid, Bonapartismo, Cesarismo, Democracia, Direita nacional,
         Eurosocialismo, Legitimidade democrática, Maquiavelismo, Regime português,
         Salazar, Teocracia, Tirania).
Isidro Palacios Tapias (Conservador)


O Professor Adriano Moreira afirma logo no início de um ´Prefácio` de grande capacidade de síntese e densidade: «As ciências sociais nunca tiveram vida fácil em Portugal, e uma das pequenas razões conhecidas é que os governantes, sem para tanto necessitarem de se proclamar autoritários, não gostam que se divulguem as técnicas que permitem submeter à análise os mecanismos de funcionamento das sociedades civil e política.»

Ao Prefácio segue-se uma introdução de António Marque Bessa:
«UMA LINGUAGEM, UM DICIONÁRIO»

...
«As palavras, arbitrariamente manipuladas, em vez de clarificar as questões em debate, ajudam a manter a ambiguidade, que é o objectivo de qualquer classe política bem sucedida...
...
Ora, o remédio para uma situação como esta parece ser, mais que um dicionário, um guia - um dicionário crítico, para  as pessoas que entendam dever assumir uma atitude crítica perante a linguagem que se utiliza na esfera do poder.
....

Portanto, este Dicionário também se inscreve numa finalidade didáctica: pretende desintoxicar, orientar, apresentar factos, ser uma tabela de referência para o desvario que deu nos cérebros orgulhosos do nosso tempo. É então um dicionário ´contra-corrente`. (A.M.B.)


Pesquisar neste blogue