Número total de visualizações de página

Os meus blogues

Os meus blogues...

sábado, 10 de maio de 2014

«AS PAREDES EM LIBERDADE» - ´Lobo Mau` - Editorial Teorema (fotos de ´graffitis`) - Lisboa 1974


Nota preliminar: As fotos da capa e contra-capa desta importante publicação já foram em tempos postadas em um ´blog` de um ´espaço` que o detentor deste ´blog`deteve no ´Windows Live` . Tendo sido esbulhado desse espaço, pela ´Microsoft`, juntamente com imensas fotos, achou seu dever repor neste ´blog`, sempre respeitado pela ´Google`, algumas breves notas que permitem conhecer a existência desta enorme riqueza!...


                                                                        CAPA



«AS PAREDES DA LIBERDADE»
  LOBO MAU
editora TEOREMA
Lisboa - 1974

Fotografias: José Marques
Maquete: Fernando Felgueiras e Amélia Afonso
EDITORIAL TEOREMA, 1974
R. do Cardal de S. José, 14 - Lisboa-2

composto   e   impresso
n a s   o f c i n a s      de
guide -   artes  gráficas
em 1de agosto de 1974
para a editorial teorema


Esta pequena-grande obra, contém 148 páginas, sendo a primeira de apresentação e as restantes 147 reproduzem em cada uma delas fotos das paredes com ´graffiti` de Lisboa em Maio/Junho de 1974.




CONTRA-CAPA





Página impressa:

«Ao longo de 48 anos, as paredes e os muros fizeram parte da imprensa clandestina portuguesa. Na calada da noite, arriscando a integridade física, mãos anónimas redigiam apressadamente a palavra de ordem, a crítica, o ataque antifascista.
Foi assim que as nossas paredes e os nossos muros passaram a ser um reflexo vivo da nossa consciência política, do nosso inconformismo, da nossa ânsia de liberdade em plena opressão.
Com o 25 de Abril, já conquistada a liberdade, as inscrições murais multiplicaram-se, verificando-se uma extrema diversidade de directrizes e de opiniões. Dir-se-ia até que a imprensa mural, por esse Portugal fora, se revitalizou intensamente, reflectindo uma pluralidade de pensamento só exprimível abertamente em democracia.
As inscrições recolhidas neste livro foram fotografadas, em Maio/Junho de 1974, em Lisboa. Muitas delas espalharam-se por todo o País, atingindo assim repercussão nacional.
Ao fazer tal recolha, houve a preocupação de nada ocultar e de proporcionar a mais ampla visão de tais inscrições. Elas aí ficam com o seu lirismo, a sua agressividade, a sua esperança, a sua ingenuidade, o seu ódio. o seu humor, a sua firmeza revolucionária.»


Pesquisar neste blogue