Número total de visualizações de página

Os meus blogues

Os meus blogues...

segunda-feira, 2 de maio de 2011

«DECLÍNIO DO CAPITALISMO OU DECLÍNIO DA HUMANIDADE?» (Jacques Camatte) - (II)


Vide:http://skocky-alcyone.blogspot.com/2010/07/declinio-do-capitalismo-ou-declinio-da_18.html



O ERRAR DA HUMANIDADE - O DESPOTISMO DO CAPITAL


Com a sua dominação real sobre a sociedade, o capital constitui-se em comunidade material, supera o valor e a lei do valor. Estes existem nele na qualidade de «superados». O capital realiza esta superação de dois modos:
1º - dessubstancialização, isto é, desvalorização: a quantidade de trabalho incluída no produto-capital diminuiu enormemente;
2º - a relação de troca tende cada vez mais a desaparecer, primeiro na relação salarial, depois em todas as transacções económicas.
Ora, é da relação salarial que originalmente depende o capital. É a realização do seu despotismo. Quando há valor é o capital que o atribui. O capital é capital em processo. Adquiriu esta determinação com o aparecimento do capital fictício no momento em que a oposição valorização/desvalorização tinha ainda sentido, quando o capital não tinha ainda realmente superado a lei do valor.
O capital em processo é capital em constante movimento que tudo capitaliza; isto é, que assimila tudo e faz a sua substância. Chegado à autonomia, ele é a ´forma reificada` (coisificada, coisada) em movimento. Adquire uma imaterialidade. Renova o seu ser - vasto metabolismo que engloba as antigas trocas ou que as reduz a trocas de tipo biológico - , sorvendo à totalidade dos homens aquilo que eles exteriorizam nas suas múltiplas actividades actuais, por muito parcelares que elas sejam (é por isso que, num certo sentido, o capital leva os homens a desenvolver a mais vasta actividade e o mais diversificada possível). É a humanidade que é explorada; mais que nunca é aberrante a expressão: exploração do homem pelo homem.


                                                                                                                          J. C.



                                                                                                                       

Sem comentários:

Pesquisar neste blogue