Número total de visualizações de página

Os meus blogues

Os meus blogues...

terça-feira, 24 de maio de 2011

«O DEUS QUE NÃO TEMOS» (´UMA HISTÓRIA DE GRANDES INTUIÇÕES E MAL-ENTENDIDOS`) - SEBASTIÃO J. FORMOSINHO & J. OLIVEIRA BRANCO

    «AS FRONTEIRAS DA MINHA LINGUAGEM SÃO AS FRONTEIRAS DO MEU MUNDO»
                                                                                                                   L. WITTGENSTEIN





    «O DEUS QUE NÃO TEMOS»
´UMA HISTÓRIA DE GRANDES INTUIÇÕES E MAL-ENTENDIDOS`
SEBASTIÃO J. FORMOSINHO
J. OLIVEIRA BRANCO
1ª Edição: Outubro de 2008
Revisão: SANDRA PEREIRA
636 Págs.
EDITORIAL BIZÂNCIO
Depósito legal nº 283 449/08
ISBN: 978-972-53-0402-0




Um livro sobre DEUS? Qualquer discurso sobre DEUS, prático ou teórico, é antes de mais um discurso sobre o homem. Quem é crente afirma a convicção que tem e quem não é recusa a ideia que faz ou vê  outros fazerem, talvez em razão de outra ideia que tem por mais pura sobre «DEUS». Sendo que uns e outros usam um nome, humano, importa saber o que valem essas ideias.
Mas será que se pode pensar DEUS? É pertinente a pergunta de NIETZSCHE. Seja o que for que se pense ou diga o nome de DEUS vai ser sempre marcado por ´pré`-conceitos e equívocos e por intuições notáveis acumulados na tradição dos crentes e na dos ateístas. Ambos precisam de ouvir-se mutuamente se querem progredir em ordem a um discernimento amadurecido.


Este livro «sonha» com esta maturidade cultural, visa contribuir para ela. Todavia não é um livro técnico de FILOSOFIA DA LINGUAGEM. Dirige-se a um público mais vasto,, culto, e disposto a indagar sem temor as questões do humano. Depois de «O BROTAR DA CRIAÇÃO» e de «A PERGUNTA DE JOB» (O MISTÉRIO DO MAL), os autores completam a trilogia que almejaram com este «O DEUS QUE NÃO TEMOS».


Se é DEUS, ninguém o pode ter e nem o pensar finito ´O´ pode dizer. Mas a insatisfação e os dinamismos da existência e da História interrogam a todos. Haja coragem de discernir para além do saber vulgar e científico e dos rumos da cultura e das crenças religiosas. Agitar a rotina da linguagem proporciona surpresas estimulantes. 


Vale a pena sondar a esperança que anima os anseios do homem!...


http://skocky-alcyone.blogspot.com/2011/05/pergunta-de-job-o-homem-e-o-misterio-do.html

Sem comentários:

Pesquisar neste blogue