Número total de visualizações de página

Os meus blogues

Os meus blogues...

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

POETICAMENTE EXAUSTO, VERTICAMENTE SÓ - a história de José Bação Leal -


Contextualizado no Portugal de finais dos anos 50 e inícios dos anos 60, “Poeticamente Exausto, Verticalmente Só” conta a história de José Bação Leal, um jovem e promissor poeta, falecido em Moçambique durante a guerra colonial, com apenas 23 anos.
Com uma sensibilidade à flor da pele e uma consciência política rara naqueles tempos, marcou fortemente as pessoas com quem conviveu. Após a sua morte, os amigos juntaram-se para editar, em forma de homenagem, os seus poemas e cartas. Em 1971 o seu pai reedita-o desta vez com um grande impacto no meio literário e intelectual. Será, nesse ano, o livro mais vendido na Feira do Livro de Lisboa, antes de ser apreendido pela PIDE.
No prefácio de “Poesias e Cartas” escreve Urbano Tavares Rodrigues “além de nos fazer conviver humana e esteticamente com quem teria porventura vindo a ser – não lhe tivessem truncado a vida a crueldade e a insânia que ele denuncia – um dos maiores escritores da língua portuguesa do nosso tempo, este livro fica para sempre, no seu valor testemunhal, como um marco histórico (resumindo a agonia e o martírio de tantos e tantos jovens absurdamente torcidos ou, como ele, quebrados ao arrepio da história, na sua natureza e nas suas opções)”.
“Poeticamente Exausto, Verticalmente Só” (frase retirada de uma das suas cartas) traça o percurso de Bação Leal através das memórias dos seus amigos próximos e da sua irmã. Estes lembram a sua inteligência, o seu talento, o seu humanismo, bem como a resistência corajosa de que foi capaz dentro da própria institução militar.
Documentário - 53 min - 2007Realização: Luísa MarinhoProdução : António FerreiraFotografia : Cláudio RibeiroMúsica : Luís Pedro MadeiraProdução: ZED Filmes - Curtas e Longas

Trailer do documentário sobre o escritor JOSÉ BAÇÃO LEAL
http://br.youtube.com/watch?v=M5r3GAeef2U

«QUERO IR PARA A MORTE COMO PARA UMA FESTA AO CREPÚSCULO» ( F. PESSOA )
«NÃO POSSO ADIAR O AMOR PARA OUTRO SÉCULO. NÃO POSSO ADIAR O CORAÇÃO» ( A. RAMOS ROSA )
«PORQUE O POVO NÃO SABE QUE UM HOMEM MORRE ANTES DA SUA ÚLTIMA CANÇÃO» ( H. HELDER )
«ERA O TEMPO EM QUE SENTADOS NA PEDRA, OUVÍAMOS A ERVA. E ERA VERÃO» ( A. RAMOS ROSA )

Poeticamente exausto, verticalmente só, lembro memória dum qualquer verão em nenhuma parte. Percorro o suor dos mortos. Acabo em cada boca que começa. E como os mortos suaram antes da guitarra de barro! Kid, companheiro antiquíssimo: pergunto: o desespero já foi jovem? quem doará seu rosto ao trigo da aurora? quem, quando a areia crescer nos olhos, resolverá a rosa marítima?
ESCREVE! Nada sei da mulher que possuiste em casa da Lena. Sei somente das jovens que
a cidade digeriu... Sei todas as cidades do nocturno mapa do esquecimento...

P. S. Sou aspirante. Não me chames alferes. Sim, não me promovas.

ao Francisco Agosto de 1963 Mafra

Sem comentários:

Pesquisar neste blogue