Número total de visualizações de página

Os meus blogues

Os meus blogues...

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

«A CRISE FRANCESA DE MAIO-JUNHO 68» ( I I )

Pelo que se vê, tudo em França se conjugou para que o inconsciente colectivo da hu­manidade, que já dava tantos sinais de perturbação por todo o mundo, encontrasse em Paris a pouco menos de 2 anos da celebração do centenário da Comuna (36), disponível para uma irrupção, que de novo escolhia Paris como «epicentro» e porque aconteceu numa democracia, não teve as consequências políticas graves. Realça-se a importância do factor democrático, pois em Outubro do mesmo ano no México, quando do iní-
cio dos Jogos Olímpicos de 68, os jovens não tiveram tanta sorte, sendo encurralados na Praça das Três Culturas, e mortos, feridos, presos ou escorraçados pelos todo-poderosos «senhores» do «Partido Revolucionário Institucional " , que para o efeito se chegaram a servir de heli-canhões. Malraux, falando da complacência do governo francês e dos violentos «quanto-basta» C. R. S. - ss ( o ss é dos " enrages " e o CRS ( Comitês Republicanos de Sgurança ) do soci­alista Jules Moch que os criou para «partir os dentes»ao PCF durante o governo Ramadier ), dizia que um adido da embaixada da R.F.A. em Paris lhe referira que o que se passara em Paris era uma brincadeira comparado com Berlim e a Alemanha de 1919, onde o Spartakusbund foi lite­ralmente arrasado ... pelo SPD e pelos Corpos Francos.
O Prof. A.H. de Oliveira Marques ( aproveito para me curvar em sua saudosa memória! - 2008 ) em A Maçonaria Portuguesa e o Estado Novo, Lisboa, 1975, obra dedicada " Ao Mário Soares e ao Coimbra Martins " ( sic ) e que traz reprodu­zida a fotografia do grande patriota General Norton de Matos, autor de Nação Una (37), dá a entender que para a Maçonaria o Maio de 68 teve um saldo positivo. Na página 16 diz: " Após Maio de 68, em França, foram alguns milhares os jovens da casa dos 20 e 30 anos, directa ou indirectamente ligados à insurreição parisiense, que requereram iniciação na Ordem. Porquê? A explicação destes e doutros fenômenos ficará, contudo, para outro artigo " Pelo que se vê, às " Catequeses Baptismais» de Maio, seguiu-se a « Catequese mistagógica " ! ...
Edgar Morin e outros debruçaram-se sobre este retorno do mágico e do paganismo, tendo analisado o movimento Planète (38). Morin termina assim o capítulo intitulado A " No­va Gnose " : " Uma autêntica crítica a Planète não pode ficar indiferente ao grande pôr
intitulado A " No­va Gnose " : " Uma autêntica crítica a Planete não pode ficar indiferente ao grande pôr em questão das ideias deste século. Não poderá ignorar os grandes problemas do homem, do seu destino, da angústia do mundo, que como nunca, levantam os grandes desenvolvimentos científicos e a revolução selvagem que arrasta a humanidade. A verdadeira crítica a «Planète» só pode ser feita numa perspectiva planetária» ( pág. 221 da trad, portuguêsa ). Edgar Morin também estudou o fenómeno «Hippy», deslocando-se para isso propositadamente à Califórnia: De aí o seu «Journal de Californie», Paris, 1970. Um eco das impressões que recolheu pode ser lido em «Os Hippies quem os conhece?», conjunto de textos de várias proveniências, editado em Lisboa em 1970; o texto de Morin intitula-se «Um sociólogo entre os «hippies» ». É porem, interessante referir que nunca o autor destas linhas encontrou qualquer referên­cia a uma obra que surgiu em Paris, precisamente em 1968, primorosamente ilustrada e tra­duzida, e que representava para os fi hippies " o mesmo que o Pequeno Livro Vermelho repre­sentava para os maoistas. Trata-se de Le livre rose du Hippy, de Paul Muller em colaboração com Michael Wernhaum e editado pela Union Génerale d'Éditions ( é uma tradução do original norte-americano ). O exemplar que possuo advém de uma troca feita co o saudoso ARTUR HAIA, efectuada no 1º FESTIVAL DE «VILAR DE MOUROS» ( 1971 )...
Passa-se a indicar alguns marcos importantes na formação, desenvolvimento e final­mente intervenção da esquerda estudantil, apoiada cada vez mais por docentes ( deve ter-se presente que um dos dirigentes principais, quiçá o mais importante, do movimento do Maio de 68 era Alain Geismar, secretário do Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Superior ( SNE sup ) .
No início de 1962 reforma das Faculdades de Medicina, Direito, Farmácia e Ciências; Abril de 1963 - Congresso de Dijon da União Nacional dos Estudantes de França ( UNEF ); Junho-Julho de 1963, início do debate sobre a crise da Universidade - artigos de R. Aron, J. Guitton e Papillon; fim de 1963, publicação do artigo de L. Althusser na " Nouvelle Cri­tique " : Problèmes étudiants; Dezembro de 1963, prossegue o debate universitário - artigo de A. Touraine no «L'Express»: Créer l'Université ;Julho de 1964, anúncio de um Plano de Reforma Fouchet para o Ensino Superior; Novembro de 1964, manifesto do S.N.E. sup. sobre a Reforma do Ensino Superior; Março de 1965, início da crise da União dos Estudantes Comunistas ( U.E.C. ) e da Juventude Estudantil Cristã ( J.E.C .. ); no jornal" Combat " ( 3-3-65 ); três professores ( Althusser, Goldmann, Touraine ) criticam o movimento estu­dantil ( carácter mítico do " grupo estudantil " , fi proudhonismo fi do movimento; Abril de 1965: VIII Congresso dos Estudantes Comunistas, demissão de uma parte dos dirigentes da J.E.C. em conflito com a hierarquia católica; Outono de 1965: dissolução pelo P.C.F. do Sector de Letras da Sorbonne da U.E.C. e da U.E.C. de Lião; Congresso constitutivo da Ju­ventude Universitária Cristã, Manifesto sobre cristãos e socialismo; Abril de 1966: IX Congresso da U.E.C. e o retomar do controlo da U.E.C. pelo P.C.F. ; Conferência Nacional constitutiva da Juventude Comunista Revolucionária ( J.C.R. ) - trotskysta; Fevereiro de 1966, greve U.N.E.F. contra o Projecto Fouchet; 16 de Março de 1966, manifestação do movimento «Occi­dent» para um apoio à guerra do Vietnam e para a liquidação da " Sorbonne bolchevizada "; 22 de Março de 1966, jornada nacional de acção U.N.E.F. ; Novembro de 1966, Colóquio Nacional de Caen da U.N.E.F. ; Dezembro de 1966, conquista do «Bureau» da U.N.E.F. pelos «si­tuacionistas» ( I.S. ), em Estrasburgo e publicação da brochura: " Da miséria no meio estudantil" ; cons­tituição da União da Juventude Comunista Marxista-Leninista ( U.J.C.M.-L. ), maoísta; Novembro- Dezembro 1966, " Semana de acção contra a Universidade de classe» ( Plano Fouchet ) organizado pela U.N.E.F. ; Janeiro de 1967, ataque dum comando «Occident» contra os es­tudantes de esquerda em Rouen ; Fevereiro de 1967, processo do Comité situacionista de Es­trasburgo ( intentado pela U.N.E.F. ) ; Março 1967, nítido aumento de influência por parte da J.C.R. e da U.J.C.M.-L. ; Abril-Maio de 1967, desenvolvimento dos Comités de Base Vietnam ( tendências políticas de esquerda e extrema-esquerda ) , participação dos meios de Teologia protestante e católica nas lutas contra a guerra do Vietnam em Estrasburgo ; Julho 1967, Congresso de Liao da U.N.E.F. : a corrente Partido Socialista Unificado ( P.S.U. ) leva a melhor sobre a corrente U.E.C. ; Outubro de 1967, abertura das aulas com 514.000 estudantes nas Facul-
dades ; Plataforma comum do P.C.F. e da Federaçaoda Esquerda Democrática e Socialista; semana de acção CGT/CFDT contra as leis da Segurança Social; Novembro de 1967, pancadaria em Toulouse entre organizações esquerdistas ( J.C.R. , U.J.C.M.-L. , grupos anarquistas e extremistas do P.S.U. ) e a U.E.C. que tenta restaurar a U.N.E.F. ; Dezembro de 1967,greve nacional da U.N.E.F. e manifestação da mesma juntamente com organizações operárias contra a política so­cial do Governo; fortalecimento da tendência Geismar dominando o S.N.E. sup. ; jornada reivindicativa nacional C.G.T. / C.F.D.T • A partir de Janeiro de 1968 os acontecimentos são referidos em quadro à margem do texto.
Muito importante foi decerto a influência exercida por Henri Lefevre, ex-militante
do P.C.F. , donde foi expulso em 1958. Com uma obra imensa ( já aqui foram referidas duas) só entrou para o ensino universitário em 1962, já com 61 anos de idade. Começou a leccionar na Faculdade de Letras de Estrasburgo onde se encontrava quando lançou o livro La Proclama­tion de la Comunne, tendo em 1965 passado para Nanterre onde passará a exercer grande influ­ência junto dos estudantes da extrema-esquerda. Em ambas as Faculdades referidas foi assi­nalável a sua actividade, quer com os Situacionistas de Estrasburgo quer com os " enragés " do 22 de Março de Nanterre (39). De resto, o movimento estudantil foi uma vitóriaia pessoal para H. Lefevre, inimigo de sempre do estruturalismo, que ele chamou de " novo eleatismo ". Ora não representou Maio 68 o fim do estruturalismo?! (40)
Para finalizar este artigo, resta dar a palavra a um grande pensador e grande homem de que ninguém fala quando se analisa a crise que leva ao Maio 68: trata-se de Georges Gus­dorf, que sempre se interessou pelos problemas do ensino e da Universidade. Na verdade pu­blicou antes de 1968 duas obras fundamentais (41) para o esclarecimento e equacionamento dos problemas que afectavam a Universidade francesa e a encaminhavam, como o próprio Gus­dorf dirá mais tarde, para a sua vietnamizaçao.
Gusdorf, homem superior, que nos deu tantas obras de grande nivel, relata-nos a sua tristeza, o seu empenhamento e por fim a náusea que provocou a sua ida para o Canadá, acei­tando um convite que há muito lhe fora feito para leccionar na Universidade Laval do Qué­bec (42) . O facto de ter sido obrigado a recorrer a um editor de livros técnicos, quando se sabe que grandes editores publicaram e continuam a publicar as suas obras, para poder dar a conhecer a sua visão dos acontecimentos estudantis, já nos dirá do ambiente que se vivia em França nos post-Maio 68! Gusdorf que teve de enfrentar os distúrbios provocados pelos Situacionistas e outros radicais de esquerda que Lefevre ajudou a preparar, queixa­-se principalmente da demissão e covardia dos seus colegas.
Começa Gusdorf o seu livro, simbolicamente intitulado " O Pentecostes sem o Espirito Santo " , comparando a situação que se vivera à da Nave dos Loucos ( das Narrenschiff ) do humanista Sébastien Brant ( 1458- 1521 ) : «Hoje, no contexto histórico do carnaval de to­dos os valores, o Barco ébrio da Universidade, completamente desamparado, ameaça sucumbir. A tripulação amotinou-se ; o estado-maior perdeu a cabeça ; ninguém manda, e de resto ninguém obedece. É a estadia ( Saison ) no inferno, onde as próprias verdades enlouqueceram. O nau­frágio da Universidade não seria um sinistro como os outros, um sinistro entre outros. A Universidade é um dos locais privilegiados onde a cultura se elabora e se transmite. Uma sociedade não pode desinteressar-se das suas Universidades, e considerar as suas vicissi­tudes como de querelas intelectuais se tratasse, sem grande importância para a vida naci­onal no seu conjunto. O que está em causa, e cada vez mais próximo, é a saúde mental de todos e de cada um de nós. Mais ainda, é a questão de saber se queremos que o nosso mundo tenha um sentido, quer dizer se queremos que o mundo dos homens continue a ser um mundo humano" ( pags. 9-10 ). Gusdorf, colocando-se numa perspectiva de Teologia da História, na linha do seu amigo Oscar Cullman, vai discerüir os « Sinais dos Tempos» • Diz ele: " Há um aspecto essencial dos acontecimentos de Maio que passou despercebido à maioria dos observadores, apesar da sua importância, é o carácter religioso, para-religioso ou pseudo-religioso, como se queira dizer, de bom número das suas manifestações ( ... ) partidários e adversários do movimento de Maio foram incapazes de aí reconhecer uma irrupção de febre escatológica no mundo dessacralizado que é o mundo em que vivemos» ( pág. 165 ). » ( ... )Se se quer de facto examinar sem facciosismo a realidade dos acontecimentos, é-se forçado a admitir que não é possível dar sobre o que se passou uma interpretação inteiramente racional. Pode certamente considerar-se a febre de Maio um brusco acesso de loucura, porém a explicação que assenta na insensatez apenas sublinha a impossibilidade duma análise ra­cional.É melhor tentar encontrar uma via de acesso mais compreensiva - e é uma via deste género que nos oferece o recurso à fenomenologia religiosa." ( ••• ) O homem religioso é um homem que procura a sua salvação, quer dizer que se esforça por conseguir emergir da mo­notonia dos dias, onde a sua vida pouco a pouco se consome e se esgota, até conseguir um controlo do seu ser profundo, a um re-agrupamento do seu ser mais autêntico, numa realiza­ção na qual a existência reencontra sentido ( ... ) " ( pag. 168 )...
E o autor de Retractation 1983 ( 43 ) assim termina o capítulo mais importante da o­bra em causa :" Não é tão fácil como alguns imaginam, fazer como se a escatologia não e­xistisse. E a pior escatologia é talvez aquela que se ignora ou se recusa aceitar como tal. Que a juventude do presente sofra de doença escatológica, não deve ser pretexto para la­mentação. Mas não se deve considerar como uma restauração dos valores o que apenas e um sinal da confusão de valores. Pertence aos responsáveis da Universidade, defendendo a vo­cação própria da sua instituição, salvaguardar esta parte do patrimonio cultural cuja preservação está à sua guarda, contra o desecadear de paixões que nao saberia aí encontrar lugar. Aos adolescentes legitimamente à procura de uma espiritualidade, é preciso ensinar que a edificação de si proprio e do mundo não se pode realizar como por encanto, graças à magia do verbo. A determinação e a prova dos valores são fruto duma imensa paciência; apenas se deixam possuir por aquele que é capaz de as merecer, de a elas se consagrar,
uma vez adquiridas as certezas fundamentais। Sem a presença do Espírito Santo, o Pentecos­tes nada mais é do que vagabundagem intelectual, um delírio que se resolve em fantasmas, ou ainda conto de fadas, porém perdendo a inocência. " ( pags. 188-189 ). ( 44 )


Sem comentários:

Pesquisar neste blogue