Número total de visualizações de página

Os meus blogues

Os meus blogues...

segunda-feira, 21 de maio de 2012

«O TEMPO E O MODO» - ´Revista de Pensamento e Acção` - Março/Abril 1965, nº duplo 25-26 (J.K. Galbaith: ´Foi Ford uma Fraude?`)




   «O TEMPO E O MODO»
´Revista de Pensamento e Acção`
Director: António Alçada Baptista
N.os 25/26 - Março/Abril 1963
Número submetido a censura prévia


JOSÉ LAVRADIO (António Alçada Baptista e A Redacção)


    OS  MITOS


M. S. Lourenço: O Mythos Déloi
António Alçada Baptista: Notas para uma Moral Mitificada
Vasco Pulido Valente: Mitos e Oráculos
Vasco Vieira de Almeida: O Mito do «Self-Made-Man»
Rui Cunha: Os Mitos da Técnica e os Técnicos do Mito
António Osório: Memorial dum Mitólogo
José Vaz Pereira: Presença do «Star-System»
José Cardoso Pires: O mito da mulher: O «Home» - Solidão e Ar Condicionado
José Cutileiro: Os Super-portugueses: Algumas Notas sobre o Sport Lisboa e Benfica


    ANTOLOGIA


J.  K.  Galbraith: Foi Ford uma Fraude? (págs. 278-289)
Gilbert Ryle: O Mito de Descartes


José Palla e Carmo: A Poesia de T.S. Elliot (II)


NOTICIÁRIO CRÍTICO
CRÍTICA DE ARTES E LETRAS




Antes de mais a dolorosa notícia do falecimento em acidente de automóvel de JOSÉ LAVRADIO, o 
«TEMPO E O MODO» começa com José Lavradio a ter os seus mortos!...


Para além da qualidade dos conteúdos da Revista o que chamou a minha atenção foi ter encontrado a tradução integral em língua portuguesa, em letra muito pequena, de todo o nono 
capítulo de «THE LIBERAL HOUR» (1960), intitulado: ´Was Ford a Fraud?` que na versão original
se encontra entre as págs. 141-163; em português: «FOI FORD UMA FRAUDE?»!...


(«Nota da Redacção - Este estudo sobre Ford pretende apenas examinar um ´self-made-man`em acção e também os malefícios que ele e o sistema que o permite acarretam. Tal a intenção expressa de Galbraith, tal a nosa.»)




G . K.  GALBRAITH situa magistralmente a figura mítica de HENRY FORD inserido no seu tempo e
situação histórica! O seu sucesso foi espantoso...mas, poderia continuar assim, quando a necessidade
da «tecnoestrutura» se tornava imperativa?! 


Com a devida vénia transcreverei o último parágrafo, cuja leitura atenta leva a compreender a escrita
e publicação de «O NOVO ESTADO INDUSTRIAL» !...




«Finalmente, mais uma palavra para a explicação de, pelo menos, alguns dos seus erros (de Ford).
Ford nasceu em 1863. Emergiu como figura nacional em 1914, o ano dos «cinco dólares diários», quando tinha cinquenta e um anos. Muitos dos erros que contradizem a sua preocupação de dignidade foram cometidos depois. Qualquer ponto de vista razoável sobre Ford deve ter em linha de conta que, nos anos em que a luz incidiu mais fortemente sobre ele, já tinha ultrapassado a juventude. O sucesso imunizara-o contra conselhos e advertências; e durante toda a sua vida tinha vindo a constatar que a excentricidade e até a mera tolice podem muitas vezes passar por génio. ....
Ford acreditou-o.»


http://www.archive.org/stream/liberalhour031268mbp/liberalhour031268mbp_djvu.txt

http://gestaoemrh.forumeiros.com/t32-tecnoestrutura





Sem comentários:

Pesquisar neste blogue