Número total de visualizações de página

Os meus blogues

Os meus blogues...

segunda-feira, 21 de maio de 2012

«A CRISE DAS SOCIEDADES INDUSTRIAIS» - J.K. GALBRAITH - ´Cahier Nouvel Observateur` - 2 de Fevereiro de 1971



´Le  Nouvel  Observateur
«A CRISE DAS SOCIEDADES INDUSTRIAIS»
 J. K.  GALBRAITH


COLABORAÇÃO DE
PIERRE MANDES-FRANCE  - MICHEL ROCARD
MICHEL ALBERT - ROGER GARAUDY`


Tradução de Pedro Jordão
Capa de Mendes de oliveira


«LE NOUVEL OBSERVATEUR, 1971»


MORAES EDITORES
LISBOA, 1972
n.º ED. 481
167 págs.




Esta compilação, a primeira da colecção «Cadernos Nouvel Observateur», contém o relatório das confereências feitas em Paris. em Fevereiro de 1971, pelo economista americano John Kenneth
Galbraith, e do debate a que deu lugar. J.K.G., Pierre Mendès-France, Michel Albert, Roger Garaudy e Michel Rocard reviram e enriqueceram o texto com as suas intervenções!
Qual a razão do interesse de um número tão considerável de ouvintes, sobretudo de gente nova, se interessou pelas ideias formuladas em inglês por  um economista de audiência restrita que, pelo menos aparentemente, apenas faz parte da ala contestatária do liberalismo americano? A resposta está contida neste caderno. Que o ler descobrirá que, depois de se ter largamente discutido a questão de saber quais podiam ser as relações entre Galbraith e a esquerda socialista ou marxista francesa, os ouvintes desta conferência - e os leitores que tenham acesso ao caderno - foram convidados a pronunciar-se sobre o próprio fundo das análises e das previsões de John Kenneth Galbraith.
Dá-se o facto, evidentemente deste economista provocar uma curiosidade apaixonada. Não foi por acaso que, há dezenas de anos, quando lhes perguntaram quais os convidados que gostariam de receber na sua universidade, os estudantes de Berkley responderam: «CHE GUEVARA, BOB DYLAN e JOHN KENNETH GALBRITH». Um anti-conformismo a toda a prova e um humor tremendamente corrosivo fizeram de Galbraith o contrário de um ´sequaz`. A sua obsessão cinsistia na descoberta das ideias económicas que regem a evolução, abalam as ideologias e, sem que disso se desconfie, provocam as revoluções. Era, no sentido integral do termo, um agitador. Todos compreenderam que
antes de o contetarem necessário era compreendê-lo!...







                                                         «LE NOUVEL OBSERVATEUR»
                                                            ´SUPLEMENTO ESPECIAL`




http://www.priceminister.com/s/garaudy+r
http://referentiel.nouvelobs.com/archives_pdf/OBS0343_19710607/OBS0343_19710607_005.pdf


Sem comentários:

Pesquisar neste blogue