Número total de visualizações de página

Os meus blogues

Os meus blogues...

terça-feira, 29 de junho de 2010

«A Internet Invisível» (Web Invisible, Invisible Web)» - «Las Profundidades de Internet»





«LAS PROFUNDIDADES DE INTERNET»
       (´As Profundidades da Internet`)
«Accede a la información que los buscadores no encuentran
  y descubre el futuro inteligente de la Red»
(´Acede à informação que os pesquisadores não encontram
   e descobre o futuro inteligente da Rede`)
Idoia Salazar
Ediciones Trea, S. L.
Bibliotecomania Y Administración Cultural - 135
Espanha
309 págs.
Depósito legal: As. 496-2005
ISBN: 84-9704-213-1






«WEB INVISIBLE» - «INTERNET PROFUNDA»




Em 1994, a doutora JILL ELLSWORTH, especializada em estudos da Rede, cunhou o termo ´Internet Invisible para se referir à informação que não era encontrada pelos comuns pesquisadores, por razões técnicas ou simplesmente por conveniência. No ano 2000, um estudo da empresa norte-americana ´Bright Planet´, elaborado por Michael Bergman («The Deep Web: Surfacing Hidde Value»,<http://www.dad.be/library/pdf/BrightPlanet.pdf > ), confirmava e explicava a existência de uma ´Rede Profunda` - mais adequado que Rede Invisível- que por aquela altura teria aproximadamente 7500 terabytes (equivalente a 7500 biliões de bytes) de informação comparada aos dezanove terabytes da ´Superficial´, ou seja a parte da Internet acessível através dos motores de busca convencionais.

Estes valores supunham superar entre 400 e 550 vezes o volume de informação que um utilizador que somente utilizasse , por exemplo, o Google ou Altavista. Catálogos de bibliotecas, bases de dados, revistas electrónicas e arquivos de documentos que não podem ou não quiseram ser indexados nos índices destes motores compõem este mar de informação desconhecido pela maioria dos internautas, que se limita a usar unicamente as mais comuns ferramentas de pesquisa.
Num futuro incerto, a Web estará dotada de certa « inteligência artificial », em cujo desenvolvimento já se está a trabalhar, e que se designa de Web semântica. Trata-se de conseguir que a informação disponível na Internet não se componha apenas de meros dados sem sentido algum para os computadores mas, que estes sejam bem sucedidos, de certo modo, a « compreendê-la», com o objectivo de automatizar tantas mais tarefas quantas for possível.
(in, IDOIA SALAZAR, «LAS PROFUNDIDADES DE INTERNET»)


«WEB SEMÂNTICA»

O inventor da Web, Tim Berners-Lee, dá o seguinte exemplo para ilustrar o novo passo na evolução da Internet:
O sistema de divertimento emitia «We can work it out» dos Beatles quando tocou o telefone. Pete, ao atender o telefone, reduziu o som enviando uma mensagem a todos os aparelhos locais que dispunham de controlo de volume. Lucy, a sua irmã, ligava-lhe do consultório médico e dizia-lhe: « A mãe tem de ir a um especialista e depois vai necessitar de fazer várias sessões de reabilitação, duas vezes por semana. Vou contactar o meu agente a fim de poder organizar tudo». Pete ofereceu-se de imediato para repartir com a irmã as deslocações no seu automóvel.
Do consultório médico, Lucy deu as instruções ao seu agente da Web semântica por meio do seu navegador web portátil. O agente tomou nota imediatamente de toda a informação respeitante ao tratamento prescrito entrando em contacto com o agente do médico, examinou várias listas de ministradores de tratamentos e certificou-se dos riscos cobertos pelo seguro da mãe num raio de 35 quilómetros da sua residência, tudo isto permitindo uma avaliação excelente ou muito boa através de serviços competentes para a estimativa. Depois, iniciou a procura de sincronia entre as horas de funcionamento e prestação de serviços (proporcionados pelos agente de cada prestador de serviços através dos seus sítios web ) e os apertados horários de Pete e Lucy.


Sem comentários:

Pesquisar neste blogue