Número total de visualizações de página

Os meus blogues

Os meus blogues...

terça-feira, 5 de junho de 2012

«ROMANO GUARDINI» - UNIÃO GRÁFICA // FEURUS



   «ROMANO GUARDINI»
´Vida, Obra e Pensamento`
Henri Engelmann / Francis Ferrier
Colecção «PERFIS» 4
UNIÃO GRÁFICA
LISBOA, 1969
(sem especificação de tradutor)




   «ROMANO GUARDINI» (1885-1968)
´Le Dieu Vivant et l'existance chrétienne`
Henri Engelmann / Francis Ferrier
COLECTION THEOLOGIENS ET
SPIRITUELS CONTEMPORAINS 3
ÉDITIONS FLEURUS
PARIS, 1966
(Edição original)

http://fr.wikipedia.org/wiki/Romano_Guardini



NOTA:
Já neste espaço tivemos a oportunidade de referir este grande Teólogo em «O Cristianismo perante o 
Racismo», assinado por um pseudónimo de Romano Guardini: ´Lucien Valdor`, editado em França em
1939, quando Romano Guardini tomava parte na Resistência ao Nazismo! Essa obra foi incluída na
´lista OTTO` e destruída! Em Portugal foi traduzida e editada pelas Edições Crisos, Lamego, 1943!
É no mínimo estranho que a versão portuguesa, sem nome de tradutor, apesar de datar de 1969, ao
elencar a versão francesa, datada de 1939, pura e simplesmente desconhece ou omite(?) a tradução
feita em Lamego! Até porque a «UNIÃO GRÁFICA» era a Editora oficial do Patriarcado de Lisboa...



Este livro nasceu de um duplo encontro. Durante o verão de 1960 foi possível a Francis Ferrier ter uma
entrevista com o Prof. Romano Guardini na sua residência de Munique. A amabilidade e cortesia do acolhimento encontrado levaram F. Ferrier a colocar-lhe um certo número de dúvidas suscitadas por uma prolongada leitura da sua obra. Deste encontro veio a resultar um artigo para a «Union» e uma conferência, proferida em Março de 1963, na Universidade de Poitiers, Seria natural que este livro se
tornasse num veículo que levasse essas reflexões a um público mais vasto. Já que uma grande parte da obra do teólogo e filósofo em causa estava já na altura ao alcance do público francês graças a numerosas traduções em França ( em Portugal existiam algumas), apresentava-se tentador empreender a realização de um como que guia de leitura, aonde extensas citações constituiriam uma boa introdução à própria obra. Era também necessário fixar o perfil de um homem que marcou várias gerações de europeus, primeiramente alemães, e depois de franceses, belgas, italianos e , tendo, no entanto, a sua fama ultrapassado as fronteiras desses países.
Francis Ferrier, conseguiu uma segunda entrevista. Como o Padre Engelmann, juntamente com Robert d'Harcourt, foi dos primeiros a divulgar a personalidade de Guardini junto ao público latino e em virtude do seu conhecimento muito pessoal e directo do homem, a ele caberia a apresentação aos leitores deste livro. 

Romano Guardini conseguiu, sem esforço, conciliar na sua pessoa traços aparentemente contraditórios, e é por isso que nos surge tão grande: filósofo, teólogo, liturgista, psicólogo, crítico literário e artístico, autor espiritual, pedagogo, orador sagrado, Guardini é tudo isto, mas, nele, tudo se funde num tipo de homem completo, o se humanista cristão que se debruça sobre todas as angústias e ambições da sua época sem excepção de nenhuma, e que encontrou na fé cristã e no sacerdócio a solução para as suas antinomias. 
A obra de Guardini no seu todo aparece como um verdadeiro monumento que coloca o seu autor entre os melhores escritores de língua alemã e na linha de frente do pensamento cristão do séc. XX.
Guardini renovou todos os domínios da reflexão aos quais consagrou a sua pesquisa, à luz dessa
«visão do mundo», dessa ´katholische Weltansschauung` à qual ficará ligado o seu nome para sempre (pois para Guardini foi criado precisamente um curso com essa denominação!)

Nascido em Verona a 17 de Fevereiro de 1885 o pequeno romano, apenas com um ano emigra para Maiência com toda a família onde o pai era cônsul da Itália. Em 1911, Guardini optou pela nacionalidade alemã. Em 1920, depois da agregação, Guardini é admitido como professor livre (´privat-docent`) na faculdade de teologia de Bona e em 1923 é encarregado de criar em Berlim uma cadeira de Filosofia Católica (Katolische Weltanschauug).
Como será de espantar, então, que uma personalidade de tal quilate não inquietasse os ideólogos do terceiro Reich? Himmler persegue-o e em 1939 é-lhe retirado o ensino da sua cadeira! Entretanto a teia da Gestapo apertava-se sobre os cristãos da Alemanha. Resolvido a escapar-lhes, retirou-se em 1943 para lugar seguro! Após o fim da Guerra retomou o ensino! Em 1962 é galardoado com o Prémio Erasmo. Em 1965 ao completar 80 anos retira-se do ensino! Vem a falecer em 1968!


BIOGRAFIA SUMÁRIA DE ROMANO GUARDINI

1885 - Nascimento em Verona.
1886 - Seu pai fixa residência em Maiência.
1904 - Estudos na Universidade de Munique.
          Estudos teológicos em Friburgo (Brisgau) e em Tubinga, seminário em Maiência.
1910 - Ordenação sacerdotal em Maiência.
1911 - Opta pela nacionalidade alemã.
1915 - Doutoramento em Teologia em Friburgo. Tese sobre: «A Redenção em ´S. Boaventura` ».
          Vigário em Maiência durante cinco anos.
1922 - Professor livre na faculdade de teologia de Bona.
1923 - Professor da cultura católica na Universidade de Berlim.
1939 - A cátedra é-lhe retirada pelos nazis.
1943 - Resistência ao ´Nacional-Socialismo`.
1945 - Professor na Universidade de Munique.
1962 - Romano Guardini é galardoado com o Prémio Erasmo.
1965 - Celebração  do seu 80º aniversário. Numa cerimónia em sua homenagem. os Bispos da 
          Alemanha oferecem-lhe um belo livro a ele dedicado, onde lhe prestam honras figuras
          como Gabriel Marcel, Karl Rahner, Hermann Volk e Hans Asnussen.
1968 - Morre em Munique, no dia 1 de Outubro.


http://skocky-alcyone.blogspot.pt/2011/05/o-cristianismo-perante-o-racismo-lucien.html
http://en.wikipedia.org/wiki/Romano_Guardini
http://fr.wikipedia.org/wiki/Romano_Guardini







Sem comentários:

Pesquisar neste blogue