Número total de visualizações de página

Os meus blogues

Os meus blogues...

sábado, 13 de novembro de 2010

«OS 60 DIAS TRÁGICOS DA FRANÇA» - RICHARD LEWINSOHN - 2ª edição




«OS 60 DIAS TRÁGICOS DA FRANÇA»
RICHARD LEWINSOHN
2ª Edição
PARCERIA ANTÓNIO MARIA PEREIRA
LISBOA-1941


Os 60 dias trágicos da França não é um relatório nem um folhetim: é uma bela narrativa, um estudo objectivo dos factos, vistos, efectivamente, de um dos lados da refrega, mas apresentados com toda a serenidade por
quem tudo observou e compreendeu e deles nos dá uma interpretação em que o maior mérito, evidentemente  o interesse não deixa que toda a verdade seja mais do que meia verdade, este livro é o primeiro que se publica, em qualquer língua, descrevendo-nos a impressionante série de factos que decorreram desde a invasão da Bélgica e da Holanda até à sessão extraordinária do Parlamento francês, em Vichy, durante a qual
o marechal Pétain recebeu o encargo de operar a reforma constitucional da França. O ambiente político e social, o aparelho militar dos beligerantes, o esboço geral da acção diplomática, os homens e os factos são apresentados em termos tais e com um paralelismo tão metódico e inteligente que o leitor formará sem dificuldade o seu próprio juízo, sem ter sido massacrado pela hecatombe dos documentos ou pretensamente influenciado pela retórica do autor.
Richard Lewinsohn, que assina este trabalho e que foi colaborador técnico de Paul Reynaud, foi um nome internacionalmente conhecido e consagrado, autor de obras disputadas pelos melhores editores de todo o mundo. As suas obras, quase todas escritas em francês, estão traduzidas em quinze línguas, destacando-se entre elas, ´L'histoire de la crise` e a sua famosa biografia do rei dos armamentos, ´Zahrof, l'européen mistérieux` . não estamos, por certo na presença de um romancista - nem de um historiador no conceito em que quase sempre se toma esta palavra, Mas estamos, por certo, em presença de um extraordinário e lúcido intérprete dos grandes fenómenos sociais, homem viajado e culto - porventura um verdadeiro polígrafo. No entanto, a sua predilecção pelos temas de natureza económica revela-se no último capítulo desta obra, em que o dr. Richard Lewinsohn nos traça  a sua curiosa tese sobre a primeira lição a extrair da guerra que se prolongava ainda - mas cuja primeira fase se encerra com a queda militar e política da França.

Sem comentários:

Pesquisar neste blogue